Sábado, 13 de Julho de 2024 07:01
(11) 97588-9546
13°

Tempo nublado

São Bernardo do Campo, SP

Dólar com.

R$ 5,43

Euro

R$ 5,93

Peso Arg.

R$ 0,01

Economia Negócios

Como ansiedade, depressão e burnout impactam empresas

A sociedade contemporânea, marcada por um ritmo acelerado e mudanças profundas nas percepções de objetivos e propósitos, tem presenciado um aumento...

19/06/2024 17h48
Por: Jornal ABC News Fonte: Agência Dino
Divulgação
Divulgação

A sociedade contemporânea, marcada por um ritmo acelerado e mudanças profundas nas percepções de objetivos e propósitos, tem presenciado um aumento de problemas mentais no ambiente corporativo, como ansiedade, depressão e burnout. Esse cenário impõe desafios às empresas, exigindo uma atenção redobrada aos fatores que influenciam a saúde mental dos colaboradores.

“Nos últimos anos, a revolução tecnológica e a crescente digitalização foram intensificadas pela pandemia, além disso se tem o aumento da pressão e das metas dentro das empresas, com isso as frustrações são mais evidentes”, explica Vicente Beraldi Freitas, médico especializado em psiquiatria da Moema Medicina do Trabalho.

Ele complementa: "Vivemos em uma realidade onde as pessoas enfrentam dificuldades, como conviver com padrões irreais nas redes sociais e altos anseios, tornando-as mais sensíveis a gatilhos para problemas psiquiátricos."

A mudança no perfil dos problemas de saúde dos trabalhadores é notável. Tatiana Gonçalves, sócia da Moema Medicina do Trabalho, observa que há 20 anos, os afastamentos eram majoritariamente por acidentes de trabalho e problemas ortopédicos. "Hoje, vemos um crescimento exponencial de pacientes com problemas psiquiátricos", avalia.

Principais doenças e suas causas

Os transtornos de ansiedade, a depressão e a síndrome de burnout são doenças psiquiátricas marcadas por uma preocupação constante e excessiva com a possibilidade de eventos negativos.

Contudo, existem diferenças entre elas:

- Burnout: Uma condição caracterizada por exaustão extrema e sentimentos de frustração relacionados ao trabalho. Beraldi enfatiza a necessidade de diagnósticos precisos e acompanhamento por profissionais especializados. A atualização do Ministério da Saúde, que incluiu o burnout na lista de doenças relacionadas ao trabalho, reforça a importância do reconhecimento dos fatores psicossociais no ambiente corporativo.

- Crise de ansiedade: Caracterizada por uma preocupação constante e excessiva, pode levar a sintomas físicos como falta de ar, sudorese e arritmia. "A ansiedade é uma patologia desencadeada por fatores internos ou externos, exacerbada pela pandemia e a crescente digitalização," explica Vicente Beraldi.

- Depressão: Uma doença crônica e recorrente que causa tristeza profunda e desesperança, afetando a capacidade funcional do indivíduo. É essencial procurar ajuda médica e diferenciar a tristeza patológica daquela transitória, provocada por eventos difíceis da vida.

Dentre as causas desses males estão vários fatores como estresse no trabalho e conflitos relacionados a competências, autonomia, relações com clientes, realização pessoal e falta de apoio social. Além de fatores organizacionais, causados por sobrecarga de trabalho, desalinhamento entre objetivos da empresa e valores pessoais, e isolamento social. Além disso, existem fatores pessoais, com relações familiares e amizades.

Rose Damélio, gerente de Recursos Humanos da Confirp Contabilidade, relata: "As áreas de recursos humanos devem estar cada vez mais próximas dos colaboradores, acompanhando desde a contratação e iniciando ações aprofundadas quando necessário."

Vicente Beraldi Freitas sugere medidas para combater esses problemas:

  1. Grupos de vivência: Empresas podem criar grupos para lidar com situações e pessoas.
  2. Setor de acompanhamento: Desenvolvimento de setores para preparar e acompanhar as equipes.
  3. Ambientes colaborativos: Criação de ambientes justos e colaborativos para manter a saúde mental e a qualidade de vida dos colaboradores.

Melhorando o ambiente nas empresas

André Costa, diretor Administrativo e de Gente & Gestão da Febrafar e da Farmarcas, corrobora com essas ideias. Mas ele acrescenta que as iniciativas devem ir muito além de ações pontuais, deve ser repensada toda a estrutura da empresa. Ele destaca alguns pontos:

  1. Propósito e valores: É fundamental que as equipes compartilhem o propósito e os valores da empresa. Ao selecionar novos membros, buscar pessoas alinhadas com esses princípios para criar um ambiente de trabalho coeso e estimulante.
  2. Estrutura e processos maduros: Uma estrutura organizacional madura e processos bem definidos são essenciais para o funcionamento eficiente das equipes. Isso inclui desde o espaço adequado para trabalho até formas de recrutamento e seleção mais assertivas.
  3. Benefícios e políticas salariais: Oferecer benefícios atrativos além do salário é crucial. Exemplos são benefícios como licença-maternidade estendida, vale-creche e parceria com academias.
  4. Liderança para todos: A liderança deve ser desenvolvida em todos os níveis da organização. Assim se devem identificar talentos e fornecer formação em gestão, criando políticas de educação corporativa com bolsas de estudo e treinamentos.
  5. Inovação: Um ambiente propício à inovação deve ser prioridade, com diretrizes estratégicas claras e comunicação aberta entre os colaboradores. Um clima organizacional saudável favorece o surgimento de novas ideias.
  6. Endomarketing: Investir em ações de comunicação interna é fundamental, com reconhecimento e promoção do pertencimento à empresa, criando um ambiente de trabalho agradável e motivador.
  7. Desenvolvimento contínuo: É preciso promover nas empresas o crescimento profissional dos colaboradores por meio de planos de carreira, educação corporativa e treinamentos, desenvolvendo habilidades técnicas e comportamentais.

De acordo com André Costa, todos esses fatores são interligados e contribuem para a construção de uma equipe equilibrada e de alto desempenho. "Ao garantir um ambiente de trabalho saudável, onde os colaboradores se sintam valorizados e motivados, colhemos resultados positivos. O investimento em cuidado com as pessoas é tangível e imensurável," ressalta Costa.

Empresas que investem na saúde mental de seus colaboradores criam um ciclo positivo de valorização e produtividade. A coerência entre discurso e prática dos valores corporativos, aliada a ações estruturadas e contínuas, é fundamental para um ambiente de trabalho saudável.

Assim, antes que esses males acometam os colaboradores, as empresas têm um papel crucial na revisão das condições de trabalho e na busca por qualidade de vida, garantindo que isso não impacte negativamente os resultados dos negócios.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.